Pão de Santo Antônio

Pe. Oliviero Svanera,

Reitor da Basílica de Santo Antonio de Pádua, na Itália

Em um diálogo com ACI Stampa – agência em italiano do Grupo ACI – Pe. Svanera assinalou que “o pão de Santo Antônio é sinônimo de caridade. Esta tradição nasceu a partir de um dos milagres do santo, cujo protagonista foi Tomasito, um menino de 20 meses que se afogou em um poço de água”.

O reitor contou que “a mãe desesperada invocou a ajuda do santo e fez uma promessa: se conseguisse esta graça, ia dar aos pobres uma quantidade de pão igual ao peso do menino. E milagrosamente o pequeno voltou a viver”.

Este milagre, continuou o sacerdote, “deu origem a duas obras fieis ao espírito de Santo Antônio: A primeira é a Obra do Pão dos Pobres, organização antoniana em Pádua responsável por levar alimentos e materiais básicos e assistência às pessoas necessitadas”.

O segundo trabalho é a “Caritas Antoniana Onlus, organismo de caridade dos frades do santo, que em 2016 apoiou 124 projetos de desenvolvimento em 40 países do mundo, com um total de 2,6 milhões de euros”.

Além disso, o Reitor destacou que a devoção “do ‘Santo do Povo’ é universal, talvez porque ele quis considerar o mundo inteiro como sua casa. Nasceu em Portugal, foi ao Marrocos para levar a fé, chegou à Sicília depois de um naufrágio (…) se uniu aos frades de São Francisco que o enviaram à França. Quando voltou para a Itália, se estabeleceu em Pádua, onde morreu em 1231″.

“Dizem que falava uma língua com milhares de sotaques, mas todos compreendiam. E ele era próximo a todos: pobres, pessoas com dificuldade, doentes. Neste ser irmão de todos, também está a sua universalidade”, afirmou o Pe. Svanera.

O reitor do Santuário destacou o exemplo do santo para viver a humildade e a necessidade de superar a “tentação do poder, o orgulho e, como diria o Papa Francisco, o mundanismo”.

Julinho Zanatta

Pastoral da Comunicação - PASCOM

%d blogueiros gostam disto: